Biografía

Share

Ray Lema nasceu no país Kongo, no oeste da actual República Democrática do Congo. Aos 11 anos, ele entrou no seminário dos Padres Brancos. Ele queria se tornar um sacerdote. O destino decidiu de outra forma. Logo na chegada do seminário, as crianças passaram por testes de aptidão, e rapidamente se percebem as disposições naturais do jovem Lema para a música e um padre belga resolve colocar para estudar o órgão e o piano. Seus estudos no seminário foram portanto acompanhados de cantos gregorianos, Mozart e Chopin.
Ele tinha 14 anos quando o Congo Belga se tornou independente e tornou-se apenas o “Congo” de Patrice Lumumba, e em seguida, o “Zaire” do Mobutu. Ele deixou o seminário e, alguns anos depois , ingressou na Universidade de Kinshasa, onde estudou química.

Os pianos sendo coisa quasi inexistente no Zaïre, ele aprendeu então a tocar guitarra e descobriu os Beatles, Hendrix, Django Reinhard e os Jazzmen americanos. De repente, ele abandona os estudos de química e a univerdidade para integrar como guitarrista, a banda de um cantor famoso de Kinshasa, Gerard Kazembe. Ele, então, descobre as noites quentes de Kinshasa e encontra as grandes estrelas da música congolesa que na época fazia dançar toda a África (Tabu Ley Rochereau, Kabassele …).

Em 1974, Ray Lema foi nomeado Director Musical do Ballet Nacional do Zaïre com a missão de recrutar e dirigir os músicos tradicionais que deviam acompanhar os bailarinos do Ballet Nacional, representando assim a diversidade e riqueza do país. Essa experiência mudou sua vida e sua visão da música para sempre. Ele viajou no país inteiro em todas as direções, da Floresta Equatoria para o Kivu , do Baixo Congo para o Katanga atraversando as regiões do Kasai em busca dos Mestres de música do Congo. Ele descobriu a ciência e a magia das rodas rítmicas tradicionais e se tornou Mestre Tambor.

Em 1979, ao convite da Fundação Rockefeller, ele viajou para os EUA depois de um profundo desacordo com o Presidente Mobutu. Ele só voltou 32 anos depois para o Zaïre, que entre tempo que mudou seu nome para a República Democrática do Congo.
A viagem para os Estados Unidos marca também o início de uma brilliante carreira internacional. Ele finalmente se estabeleceu na França em 1982, onde ele mora desde então.

Interessado por todo tipo de estílo musical e precursor nos gêneros, Ray Lema tornou-se famoso no meio internacional da World Music desde os 80, que descobre então as Músicas Africanas. Ele realiza várias colaborações que enriquecem suas composições e seu universo musical: de Stewart Copeland (ex-baterista do Police) para as Vozes Búlgaras, dos Tyour Gnawa de Essaouira para a Orquestra de Câmara de Sundsvall na Suécia, com o cantor e compositor brasileiro Chico César ou ainda mais recentemente, como solista convidado da Orquestra Jazz Sinfônica de São Paulo no Brasil.

Esta busca incessante do Outro deu para o Ray Lema um perfil totalmente inclassificável. Ele já publicou cerca de vinte discos, todos diferentes uns dos outros, no entanto, marcado por uma linguagem musical muito pessoal, testemunhos dos encontros e do percurso deste viajante-músico e perpétua estudante, así como ele mesmo gosta de se apresentar.

Ele compõe regularmente para o Teatro e Cinema e já recebeu vários prêmios pela sua sua carreira (incluindo um “Django d’Or”).

A educação musical em África continua sendo para ele uma prioridade e, frequentemente, ele organiza oficinas com jovens músicos e produz artistas do seu continente.

No palco Ray Lema se apresenta em concerto de piano solo, em trio ou quinteto afro-jazz (formação de seu último disco, ” VSNP- Very Special New Production” – com Etienne Mbappe, Irving Acao, Nicolas Viccaro e Sylvain Gontard – lançado em janeiro de 2013), ou com a sua big band, a Saka Saka Orchestra, onde o afro-beat flirte com o blues e o rock a moda Kongo e com baladas carinhosas.

Sempre aberto para novos encontros, em março de 2014  ele se apresentará na China com a Orquestra Sinfônica de Wuhan, com seu quinteto nos festivais de verão da europa, montou um novo trio vocal junto ao Fredy Massamba e o Ballou Canta, acompanhados pelo guitarrista brasileiro Rodrigo Viana , inicia um projeto de composições inéditas junto ao quarteto de cordas “Des Équilibres ” da cidade francesa de Marseille, dirigido pela violinista Agnes Pyka.

Share

Este post também está disponível em : Francês Inglês Chinês